sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

A folha em branco

Branco. O nada. A ausência de cor. O início. A pressão. O desafio. O começo do processo. O ponto de partida. Sempre que recebo um briefing novo dou de cara com a tela branca do meu World. Confesso que às vezes dá até desespero, mas à medida que o tempo passa e o prazo vai apertando, as letrinhas vão preenchendo o vazio e a coisa começa a tomar forma.

O duro, é que tem vezes que as letrinhas até preenchem a folha, mas a coisa não toma forma nenhuma. Aí danou-se, melhor apagar tudo e começar de novo. Mais uma vez encontramos a telinha vazia. Quem nunca se sentiu pressionado pela folha em branco? E pelos ponteiros do relógio? E pelos dois ao mesmo tempo?

A folha em branco consegue exercer uma pressão tão pesada que às vezes dá dor nas costas, azia, dor de cabeça, sensação de impotência e até duvidas sobre a própria capacidade. Mas aí você faz uma pausinha, bate um papo descontraído com alguém, relaxa os neurônios e sem querer encontra uma frase motivadora em algum canto da agência. Algo do tipo: Todo job é chato até que você tenha uma boa idéia, do Eugenio Mohallen.

Mais uma vez você encara a tela em branco, pronto para destrinchar aquele job e quem sabe até faturar um prêmio. Pensa que a cada job é uma oportunidade de ser alguém na vida. De tentar se destacar e ser reconhecido. Olha novamente para o relógio e vê que o prazo está acabando e a folha ainda vazia está ali, pedindo uma boa idéia. Mas agora você ta motivado e preparado. Para um milagre? Não, preparado pra dar uma surra no atendimento que prometeu aquele prazo pro cliente e você não conseguiu cumprir.

Um comentário:

Renato Andrade (Zóio) disse...

AEEee Cors, agora são 23:23h do primeiro dia de trabalho de 2008
(07/01) e estamos passando exatamente por isso então!?

hahahaha

Desgraçado, você previu isto!
:D